Pessoas que me prestigiam!!!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Eu, Travestido!!!

Continuo viajando pela minha amada terrinha, naquela viagem reflexiva, mas deixei esse texto prontinho para vocês...beijão e até breve!
Eu, Travestido
Posso dizer que os anos 80 foram os meus anos dourados! Pude experimentá-lo todinho em duas cidades "escândalo”: Sampa e Salvador!! Foi a época dos descobrimentos para toda uma geração. A sexualidade explodia pelos quatros cantos. Onde quer que você fosse, corpos moldados em calças coladas, cabelos esvoaçantes, roupas extravagantes e cores escaldantes vibravam ao som dos embalos de sábados à noite! Naquela época havia muita repressão militar, mas como tudo era visto como novidade era possível “transitar nos dois mundos” até com certa liberdade. Como todo jovem, curioso pra encontrar sua “turma”, me jogava em tudo que era “balada”. No auge dos meus 20 e poucos anos, com um belo par de coxas, fazia sucesso dentro de uma calça jeans de cor duvidosa; em boates como HS, Medieval, Túnel do Tempo e na inesquecível Nostromondo,
onde já ganhei até o título de “Boy da Tarde” em concursos organizados pela saudosa “Condessa” nas matinês de domingo!  Os encontros, os romances, os namoros eram construídos com muito romantismo; havia histórias com começo, meio e fim. Nem sempre com final feliz, mas eram histórias com ingredientes suficientes pra se tornarem best sellers. Eu diria que ainda éramos muitos sonhadores e idealizávamos encontrar nosso “príncipe encantado”. Havia os estereótipos e apelações do mundo gay, mas as diferenças não eram tão gritantes, como nos dias atuais. A abordagem no primeiro contato era ensaiada, havia cortejo e namoro, acompanhados de uma bela trilha musical. Nos barzinhos da época sempre era possível encontrar uma mesa escondida num cantinho escuro, especialmente para novos casais que acabavam de se conhecer.
Confesso que iniciei minha vida sexual tarde, por motivos que já expliquei anteriormente; em virtude disso, meu processo de descoberta foi lento. Minhas primeiras investidas aconteceram de forma tímida, me deixava ser seduzido mais do que seduzia e acabava sendo dominado na maioria das vezes. Não havia ainda aquela preocupação, que é muito comum nos dias de hoje, em ser “passivo ou ativo”. Havia a vontade de se descobrir dentro de uma relação e a necessidade de auto afirmar sua sexualidade. Posso dizer que a inexperiência me levou a caminhos nebulosos, onde me sujeitei a fazer até o que não gostava; só pra descobrir que não gostava mesmo daquilo. Nunca passei por nenhuma situação aberrativa ou violenta e não me arrependo de qualquer coisa que tenha feito. Cada experiência me fez descobrir quem eu sou e como eu sou. Todo parceiro que eu tive na cama, me fez atingir o ponto que hoje eu considero ideal, mesmo que algumas vezes tivesse que vestir um personagem.
Mas confesso que não me sentia totalmente satisfeito na maioria das circunstâncias. Também pelo fato de ainda não conhecer as habilidades da minha “varinha mágica”. Só depois de muitas tentativas frustradas é que me descobri um cara ativo e dominador;
no bom sentido, se é que me entendem! Então, não importa se tentaram me estigmatizar ou estereotipar. Mesmo de maneira errônea sempre fui eu, me expus, dei prazer, mas jamais me deixei moldar pelo que os outros queriam que eu fosse. E a verdade é que sexo um dia acaba! Hoje, sou feliz com meu parceiro, encontramos o ponto chave em nossa relação. Não desempenhamos nenhum papel, não somos “A ou B”, nesse ou naquele momento.  Desenvolvemos outras necessidades que são inerentes ao ser humano, à necessidade de amar e a de aceitar o outro como ele é!
Bem casado com meu Meloso e no auge dos meus 52 aninhos, posso dizer sem nenhum receio de é possível ser feliz com ou sem sexo...

 E vocês, o que pensam sobre isso?...