Pessoas que me prestigiam!!!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

TENTANDO ME ENCAIXAR !!!

" O caminho que escolhi é o do amor. Não importa as dores, as angústias, nem as decepções que vou ter que encarar. Escolhi ser verdadeira. No meu caminho, o abraço é apertado, o aperto de mão é sincero. Por isso, não estranhe a minha maneira de sorrir e de te desejar tanto bem. Eu sou aquela pessoa que acredita no bem, que vive no bem e que anseia o bem. É assim que eu enxergo a vida e é assim que eu acredito que vale a pena viver."  (Clarice Lispector)

Durante toda minha vida tentei trilhar um caminho que me desse segurança, autoafirmação e confiança para desenvolver meus dons e talentos.
Até os 20 anos eu não sabia nada, pois estava enclausurado nos conceitos e temores de minha mãe. Buscava respostas de algo que eu nem supunha existir. Só me lembro de ficar horas em frente ao mar, contemplando o horizonte com mil questionamentos povoando minha mente.
A partir do momento em que saí de casa aos 21 anos, totalmente cru e inexperiente, comecei a colocar em pratica institivamente meu anseio por encontrar respostas. Logo de início me inseri num contexto de vida, adverso ao qual havia sido criado. Eu diria que foi minha primeira tentativa na busca da tal felicidade. Conheci pessoas incríveis dispostas a me ajudar e orientar. Nessa fase eu adquiri habilidades que até então nunca havia exercitado. Conviver com pares diferentes me trouxe coragem para tentar e arriscar. Nem imaginava que estava dando passos muito rápidos na direção de algo que gritava escandalosamente dentro de mim! O inevitável estava por vir...
A cada nova vivência, mas anseios e desejos de descobrir onde aquilo iria me levar. E foi assim, me questionando, me lançando com destemor e ousadia que sempre me deparava com uma experiência inédita. Fazendo uma reflexão sobre isso, sou levado a pensar que eu vivia sendo levado pelo vento, de um lado para o outro, sem saber onde iria chegar!
No auge dos anos 80 eu experimentei de tudo um pouco, só pelo simples fato de adquirir experiência e amadurecimento. Eu queria crescer de qualquer jeito e me transformar em alguém especial. Em todas as situações que me meti, consegui sair ileso, sem nenhum arranhão. Não fiz mal à ninguém, mas magoei pessoas que nutriam por mim um sentimento que eu não conseguia retribuir. Isso ocorreu com minha mãe, com alguns parceiros e até com alguns amigos. Todos estes ficaram no passado. As lições aprendidas estão encarnadas em todo meu ser!
Hoje compreendo que em todos os meus relacionamentos, tentava me moldar do jeito que agradasse da forma como o outro queria que eu fosse e não do jeito que eu era. E cada vez que tentava, até conseguia por um determinado período de tempo; mas logo depois me entediava era como se estivesse dentro de uma roupa apertada. Então tentava me desvencilhar até conseguir sair daquela situação e mudava de direção.
O mudar de direção, incluía mudar literalmente de lugar, de cidade ou de região. Assim eu seguia meu caminho até que minha trajetória que me trouxe até aqui.

A verdade é que se há alguém que tentou se encaixar em inúmeras roupagens, este fui eu. Também tentei me enquadrar em conceitos religiosos que depois me tornaram um cético em relação à qualquer religião! As experiências nesta área dissertaria em muitas páginas, no entanto, prefiro hoje estar em paz comigo mesmo e com o Ser Superior que eu chamo de Deus e Pai!
Inevitavelmente por trilhar no caminho do conhecimento interior, o lado profissional ficou deixado à margem, quase à deriva eu diria. Devido as inúmeras mudanças eu apenas trabalhava para me sustentar. Exerci inúmeras funções e competências em diferentes ramos de atividades. O que me fez um camaleão nato, capaz de me transformar a cada novo desafio. Era questão de sobrevivência! As habilidades que possuo se desenvolveram de forma autodidata, sem nenhum esmero. Já nasceram comigo e não foram lapidadas. E toda versatilidade ainda é algo que me faz ser grato ao Universo!

Aliás hoje tento seguir o “mantra da gratidão” da maneira mais simplista e humana possível. Amadurecido consigo me olhar no espelho, dentro dos meus olhos e de minha alma, e ver com serenidade o que tudo isso significou: que cheguei até aqui ileso. Mesmo passando a maior parte da minha vida tentando ser uma pessoa melhor, tentando me encaixar em algo que desse sentido à minha vida e não conseguindo me encaixar em nenhuma; não passei dificuldades maiores ou sofri algum tipo de prejuízo ou doença. Um contraponto: houve muitas perdas nessa trajetória. Em um determinado período, perdi o contato com familiares e amigos que são importantes e hoje estão na minha vida. Por me ausentar de suas vidas, não pude acompanhar e compartilhar os melhores momentos deles. Foi o caminho que escolhi trilhar e não tenho nada do que lamentar ou praguejar! Até porque pegando gancho, no texto de Clarice Lispector como início ao meu, também escolhi o caminho do amor, e quem segue por esse caminho, não deve se permitir lamentações, nem do passado nem do presente, e quem sabe assim exista um preparo melhor para um futuro. 
É o que espero e é no que preciso acreditar.  

<<<<<<<<< R e b e l   H e a r t >>>>>>>       *** M A D O N N A ***


video



sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Retornando ao Blogsville!!


Passou agosto, setembro, outubro e novembro já está no finzinho...
Quem me conhece sabe que eu tenho momentos de ausência, de reclusão. Eu diria que é um momento em que eu preciso realinhar meus pensamentos, onde busco força interior para continuar com a mesma vontade e determinação! 
Mas nem sempre é fácil viver nesse tempo que chamamos de “hoje”.
As vezes procuro me refugiar nas coisas boas, nos momentos bons que vivi durante boa parte de minha vida. 
Sempre procurei ter gratidão dentro de mim. Agora não poderia ser diferente.
Ultimamente passei por situações estressantes que minaram minha resistência e devido à isto tive que me reclusar um pouco. 
Algumas decepções me trouxeram insatisfações e daí foi um passo para que pensamentos negativos povoassem minha mente. 
Novamente dúvidas e incertezas sobre minha mudança para Conquista e ainda por cima “ter arrastado” o Meloso para um lugar que ele nem conhecia direito.
Confesso que não foi fácil sair dessa situação desconfortável. Mas eu consegui, pela força dos meus “anjos protetores” e pela minha decisão de vencer custe o que custar e jamais me entregar. A vida faz isso com a gente sim. 
Quem disse que tudo seria um mar de pétalas de rosas?
Bom, a única coisa que mudou foi dentro de mim, meus pensamentos e minha disposição! 
Agradeço ao Meloso que ainda assim consegue viver ao meu lado. Ufa!!
Como prêmio por ter sobrevivido ao primeiro ano morando em Vitória da Conquista, ganhamos um “voucher” de nossa amiga-irmã Nubia e fomos passar um final de semana em Porto Seguro.

Nada melhor pra lavar a alma e revigorar o espírito para o segundo ano. 
Que os anjos nos protejam de tudo e todos!



sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Vivendo em outro mundo!!!


Hoje é feriado em Vitoria da Conquista, dia da padroeira da cidade! Aproveitando essa folga, acordei cedo e tive vontade de postar alguma coisa, falando sobre o momento que estou vivendo e ao mesmo tempo dar satisfação sobre minha ausencia aqui no Blogsville. 
Desde quando voltei a trabalhar, minha vida mudou totalmente. Inserido num universo agitado, onde cada dia é um desafio! Só pra vocês terem uma idéia: aquela loucura que viamos pela televisão de aeroportos lotados, voos atrasados e passageiros querendo esgoelar os funcionários das empresas aéreas, então... isso virou rotina pra mim!
É a mais pura verdade o que eu lhes falo. Não que o aeroporto de Conquista, seja algo assim tremendo de maravilhoso. Não! definitivamente nada disso! Muito longe disso! É pequeno, sem nenhuma estrutura, os passageiros ficam confinados numa area de aproximadamente 80m². 
Estou falando da área onde é feito o checkin, o embarque e o desembarque ok?
Vocês conseguem imaginar a situação, o caos? Pois bem, meu dia a dia tem sido nesse ambiente. Qualquer dia farei um video mostrando as dependências do aeroporto; por enquanto ainda não tenho autorização, não fiz o curso que me permite andar por todos os ambientes deste "famoso" aeroporto! 
É pra rir mesmo! rsrsrsrsrs
Bom, nestes quase dois meses, já recebi voz de prisão, já fui xingado varias vezes e se minha mãe estivesse viva, coitada, já teria morrido de desgosto! kkkkkk
Ah também fui agredido fisicamente e se não fosse minha boa esquiva, tava na lona até agora!
Divertido né? Não, stresse puro, que eu to aprendendo a digerir, a absorver, a me defender de forma que nada disso me tire a paz! Estou conseguindo! 
Preciso dizer que adoro o que faço, gosto de trabalhar com gente e tudo faz parte do oficio!
Mas o que fez com que minha mudasse totalmente além dessa rotina agitada, inúmeros cursos pra fazer, voltei a estudar e meus dias tem sido focado nisso. 
Mas o supra sumo são meus adorados filhotes: Meg e Pimpolho (vulgo Pimpo). 
Não tem coisa melhor que chegar em casa, depois de um dia tão dificultoso e encontrar essas duas criaturinhas, carentes de um cafuné e de um agrado!
Meg é uma siamêsa adolescente, mimada, comportada e carinhosa; que de repente viu seu mundo mudar com a adoção do mestiço "Pimpo" de 02 meses. No terceiro dia ja estavam se aceitando e hoje diversão total! 
Estou feliz com a fase atual, poderia ser melhor, sim claro! Mas nem tudo são maravilhas nessa vida. Na parte sexual, confesso que estou na abstinência total. Como não sou chegado ao mundo virtual, então piorou. Um verdadeiro ermitão! 
Mas a gente aprende com tudo isso, principalmente que quando estamos com outras prioridades, sexo é o que menos importa... será? Hehehehehehehehe
Um beijão carinhoso em cada um de vocês!
Parafraseando o Jair, meu carinho e respeito à todos!!!






sábado, 12 de julho de 2014

“Um agradecimento”

Encontrei um tempo livre na madrugada para registrar minha gratidão por mais uma benção alcançada! Em consideração à todos do “Blogsville” que deixam mensagens carinhosas e me apoiaram em momentos difíceis compartilhados aqui. E em especial ao Freduco do TPM, que me cutucou (ui!!), exigindo atualizações...rsrsrsrsrsrs. 

As últimas semanas foram bem movimentadas; logo após retornar do São João, recebi a excelente notícia que estava contratado e começaria o treinamento imediatamente. Foi assim, de repente, como um milagre! Estava desacreditado e nem mantinha mais esperanças! 
Mas Deus, mais uma vez, com sua providência e amor incondicional, me resgatou de um período bem complicado. 


Depois de quase 10 anos na hotelaria, os últimos dois foram só decepções. A saída tumultuada do Alji em Indaiatuba, me fez retornar à terrinha querida na intenção de trabalhar no Íbis; mas por esses imprevistos do destino, que não sabemos, nem “como” nem “por quê”; tudo deu errado! 
Período desgastante de incertezas, inseguranças, situação financeira prejudicada e até o relacionamento com o Meloso passou uma fase conturbada!

Espalhei currículos, falei com todo mundo, procurei em tudo que foi canto e bingo! Um novo recomeço na Aviação! Um grande desafio aos 53 anos...

Agora com a auto estima recuperada, a motivação lá em cima, bora trabalhar!!!

"E de repente descobrirá que a felicidade que tanto buscou em pessoas, coisas e acontecimentos estava ali o tempo todo. Dentro de você.
Pois felicidade é um estado de espírito, fruto da paz que construímos dentro de nós e nos faz viver em harmonia com os que nos cercam e com o universo."                                      ((Francisco Assis Melo)) — se sentindo feliz.




Um grande beijo à todos!!!

domingo, 29 de junho de 2014

Uma escapulida até o sertão !!


Miguxos e miguxas do Blogsville!
Passei alguns dias em pleno sertão da Bahia. Fui visitar meus familiares, tava precisando de colo e cafuné! Especialmente do meu "tio/paizão" Beto! Sempre alegre, brincalhão e aproveitando a vida com muita sagacidade! Na cidade de Macaúbas fazia um calorzão de 30 graus! Ela é famosa por celebrar o São João de forma bem tradicional, com fogueira e muita comilança! Nessa epoca todos os migrantes retornam pra matar saudades desse pedacinho de paraiso! Tomei muito quentão, dancei bastante forró e enchi a pança com aquelas comidas regionais feitas especialmente pelo meu adorado tio Beto. Neste ano especialmente havia a presença de minha prima com seu marido portugues, um gentleman, que nos brindou com legítimo vinho portugues! Nem precisa dizer que passei dias agradáveis com muitas gargalhadas e folias!
Colocarei algumas fotos desses momentos memoráveis!


E pra celebrar tudo isso, um presente dos céus ao retornar pra casa!



sexta-feira, 13 de junho de 2014

Um Passado Sem Condenações – Parte 2


Era o ano de 1986, eu com 25 anos, estava vivendo a melhor fase da vida, até então! Morava no Recife, em plena praia de Boa Viagem, de frente para o mar! Era Encarregado de Padaria e gerenciava 15 pessoas. Trabalhava há alguns quarteirões de casa. Na hora do almoço, até dava pra dar uns mergulhos na praia. Me sentia importante e feliz!
Num belo dia, vislumbrei a beleza de um pernambucano, passeando pelo centro da cidade. Seu sorriso me cativou e a atração foi imediata. Naquele tempo eu acreditava em amor à primeira vista! Logo estávamos morando juntos e em pouco tempo, o que parecia ser um sonho encantado virou pesadelo! O cara se mostrava extremamente ciumento até mesmo com a sombra. Eu protelava, pois acreditava se tratar de amor, até o dia em que ele me encontrou na praia conversando com um amigo e o agrediu!
Começou a me privar da companhia dos meus amigos e estabeleceu horários para eu ficar dentro de casa. Chegou ao cumulo de colocar o porteiro do prédio me vigiando! Minha vida passou a ser páginas de cadernetas. A gota d’agua aconteceu, quando ele ficou sabendo que eu havia passado a tarde, bebendo cerveja com um amigo! Chegou em casa, pegou uma faca e começou a me ameaçar, dizendo coisas horríveis. Me desvencilhei, abri a porta e saí correndo escadaria abaixo. Ele no meu encalço querendo me matar! Eu gritava desesperado para os vizinhos abrirem as portas, até que uma senhorinha me deu guarida! Entrei me escondi até o dia seguinte! Esperei ele sair, arrombei a porta, peguei minhas coisas, pedi demissão do trabalho e voltei pra São Paulo! Humilhado fui pedir ajuda à minha mãe, que me aceitou de braços abertos! Depois de tantos anos distantes um do outro, nossa reaproximação foi difícil, nossos diálogos sempre foram truncados, nervosos, agitados. Discutíamos principalmente porque ela nem queria argumentar sobre minha sexualidade. Não aceitava e pronto! Era um tabu, falar sobre isso! Consegui emprego no Banco Itaú e aceitei convite de minha “tia Madá” para frequentar um grupo de atletas; ela sabia que que adorava jogar bola! Encontrei um grupo de pessoas alegres, felizes, bonitas e abastados! Quer recepção melhor? Uma vez por semana sempre havia alguma atividade! Nem imaginava que aquelas reuniões, se transformariam em grupos de debates cada vez mais envolventes! Era o “Atletas de Cristo”, grupo que ficou famoso nos anos 80, pela forma descontraída e pela linguagem informal e familiar; reunia atletas de várias modalidades, classes sociais e grupos étnicos. Conheci o Muller, o Silas, o Alex Dias Ribeiro entre outros atletas famosos! Aceitei fazer parte do grupo e frequentei a Igreja Batista do Morumbi, uma igreja de ricos! Agora, imaginem, como um pobre coitado como eu, que morava na Vila Nova Cachoeirinha (Zona Norte) poderia fazer parte daquele grupo? Só DEUS mesmo!
Essa lua de mel durou alguns anos, nesse período experimentei ideais elevados, inseridos no meu contexto de vida! Na busca de iluminação espiritual e objetivos nobres cristãos, não praticava sexo com ninguém e raramente me masturbava! Quando isso acontecia batia arrependimento! Até minha mãe deu trégua e passou a acreditar na transformação que havia acontecido dentro de mim! Mergulhei de cabeça no “protestantismo”, fiz teologia, descobri os segredos por trás dos púlpitos, conheci pessoas incríveis, com boas intenções me auxiliando em tudo! Até que comecei a namorar uma garota, da mesma idade e um conflito brotou na minha cabeça. Naquela época estávamos nos preparando para sermos missionários entre os “muçulmanos” e teríamos que oficiar o casamento antes de ir pra linha de frente. Daí eu pensei: como vou casar com uma mulher sem conhece-la sexualmente? Eu ainda sentia atração por homens, mas conseguia controlar. Dúvida cruel! Então quando sugeri que fizéssemos sexo, ela achou um absurdo! Não deu outra, desisti de tudo e de todos. Me senti aliviado, tirei um peso da minha consciência!

Nesse período fui surpreendido com o diagnóstico de Câncer de Colo do Útero em minha mãe. Desde o começo ela soube do que se tratava e iniciou o tratamento cedo, fez os procedimentos para impedir o avanço da doença. Fiquei ao seu lado em todo instante! Mas como sempre tivemos dificuldades de diálogo, não falávamos sobre a doença, ela sofria com fortes dores e muitas vezes tinha que leva-la ao serviço de emergência. Nos apegamos à religião na tentativa de aliviar o peso da situação! Mesmo assim minha mãe não era uma pessoa otimista e deixou se abater. Em pouco tempo o câncer se espalhou para outros órgãos e na impossibilidade de tratamento em casa, tive que coloca-la em um hospital para receber suporte e medicamentos necessários, mesmo contra sua vontade. Ela ficou com raiva de mim e não falava comigo, quando ia visita-la diariamente. Lembro que aquela situação toda me deixava extremamente mal e só conseguia forças em DEUS! Foram dias terríveis! Eu ficava horas vagando pelas ruas na busca de respostas. Até o fatídico dia em que recebi a notícia do seu falecimento. Saí desesperado até o hospital, quando lá cheguei me levaram para ver seu corpo, uma imagem aterradora nunca saiu da minha cabeça: ela deitada com os olhos abertos e uma expressão de medo e solidão latente em seus olhos.
Cena de uma morte sofrida. Aquilo me destruiu! Xinguei as enfermeiras por deixa-la daquele jeito! Um abismo se abriu sob meu chão. Me revoltei e culpei DEUS por anos. Me joguei no mundo sem eira nem direção, vivia anestesiado, procurava não pensar. Me drogava. Fazia sexo sem nenhuma prevenção. Estava me punindo pela culpa de não ter sido o filho ideal; de não ter conseguido falar o que um filho deve falar para sua mãe; por nunca ter nos abraçado e beijado ou expressado carinho; por deixa-la morrer sozinha! 
Precisei de anos de terapia e libertação para conseguir superar tudo isso. Pela graça e misericórdia do “Nosso Paizão Celestial” que nunca me abandonou, obtive a redenção! 
Hoje não existem sequelas e toda as cicatrizes foram curadas! Sobre isso eu falarei em uma próxima oportunidade. 
Aguardem cenas dos próximos capítulos!

domingo, 8 de junho de 2014

A Morte Não é Nada!!!


Eu somente passei para o outro lado do Caminho. Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. Me deem o nome que vocês sempre me deram,
Falem comigo como vocês sempre fizeram. Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas,
Eu estou vivendo no mundo do Criador. Não utilizem um tom solene ou triste,
Continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim.
Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra ou tristeza. A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas?
Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho...
Vocês que aí ficaram, sigam em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi....

(Agostinho, 400 DC)


Alguns de vocês ficaram sabendo que eu perdi um grande amigo gaúcho, covardemente assassinado pelo próprio companheiro, há duas semanas atrás. Na mesma semana a mãe de outro grande amigo mineiro, faleceu de repente! E pra completar tomamos conhecimento que a vó de outro grande amigo também havia falecido, vitimada de doença! Antes deles, em 2007, meu tio Valdeto foi vencido pelo alcoolismo! Ninguém está preparado para receber a notícia da morte de uma pessoa querida. Imaginem recebe-la em dose tripla e na mesma semana. Punk total! Daí eu, no meu luto, involuntariamente fui levado a pensar na morte e como ela entrou na minha vida. Recordo-me dos meus 11 anos, eu tinha uma prima que era um ano mais nova. Lembro-me de nossas brincadeiras e que éramos como irmãos. Repentinamente ficamos sabendo que ela tinha um problema no coração e logo veio a falecer. Eu não conseguia compreender como aquilo era possível. Foi uma tristeza geral! Três anos depois; meu único irmão, morreu num acidente de transito! Outro baque, principalmente para minha mãe, que sofreu muito e eu acompanhei de perto. Anos depois, já morando na Bahia, recebi a triste notícia de que meu tio Airton, havia falecido, debilitado pelo vício da bebida! No final dos anos 80, um grande amigo se foi vítima da AIDS. Mas o pior ainda estava por vir. Quando minha mãe foi diagnosticada com câncer, fizemos todos os tratamentos possíveis, não adiantou; ela se entregou, ficou deprimida e logo a morte lhe sugou...literalmente! Algo morreu dentro de mim, junto com ela! Fiquei anos sofrendo, com sua última imagem, cheia de dores e sofrimento! Três anos depois, foi a vez de minha querida Vovó. No entanto desta vez, tudo foi diferente! Minha vó estava com idade avançada e um pouco senil. As melhores lembranças que eu tenho dela, estão bem fortes dentro de mim! Conversávamos sobre coisas do passado, ela me contava seus segredos e os da nossa família. Eu ouvia fascinado! Ela adorava quando eu cortava suas unhas, algo que ninguém fazia! Tínhamos uma cumplicidade; logo eu que cheguei a ser a ovelha negra da família! Agora, era considerado o melhor neto! Até orava com ela! Estava por perto quando ela tranquilamente fez sua passagem, tinha a mesma expressão calma e serena. Também recentemente passei uma das experiência muito dolorosa, com a morte prematura do meu jovem primo William, com apenas 24 anos. Cheio de saúde, num certo dia sem nenhuma explicação passou mal, levado ao hospital, foi diagnosticado com pneumonia. Dias depois entrou em coma onde passou 32 dias vindo a falecer. Foi triste demais ver um jovem partir de forma tão inexplicável, um duro golpe para minha tia perder seu amado filho. Graças a Deus, religiosa como ela é teve o conforto de acreditar que Ele o levou porque precisava dele lá no céu. Mas a experiência que me redimiu em relação à morte, foi a do pai de uma grande amiga. Homem letrado, culto, graduado, professor de português do renovado Colégio Sion, em São Paulo. Ele tinha câncer no intestino e estava desenganado pelos médicos. Não queria ninguém por perto, mas precisava de acompanhamento 24 horas por dia. Então, quando nos conhecemos, aceitou que eu ficasse ao seu lado. Cuidei dele por dois meses, dava remédios, alimentação, banho, limpava sua colostomia e o mais incrível, tínhamos papos divertidos sobre acontecimentos gerais, mas nunca sobre a morte! Ficava impressionado com sua tranquilidade diante da iminência da finitude de sua vida! Ele sabia que iria morrer, mas isso não o abatia! Quando ele piorou e a emergência veio busca-lo, eu o acompanhei nos seus últimos instantes nesse plano! Estava sedado o tempo todo, passei a noite com ele. Logo de manhã bem cedinho, fazia um friozinho, quando olhei para ele, senti que estava partindo. Ajoelhei-me e orei para que os anjos recebessem sua alma e então uma lágrima solitária, rolou em sua face de forma doce e suave! Entendi então que a nossa vida é singela e a linha que a separa é sutil e tênue!

“Quando eu pensar que aprendi a viver, terei aprendido a morrer.” Leonardo da Vinci (1452-1519)

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Um domingo negro!!!


Amigos e colaboradores,

Estou aqui para compartilhar um momento triste, terrível, desses em que somos pegos de surpresa em que o chão parece se abrir e um buraco imenso nos invade...
Ontem a tarde fiquei sabendo da morte trágica de um ótimo amigo, um cara do bem, parceiro, bondoso, atencioso, conselheiro, fino, culto, educado, um gentleman!!!
Nos conhecemos nos inicio dos anos 90 e desde os primeiros instantes ficamos tão amigos que logo estávamos nos correspondendo (era o tempo em que adorávamos trocar cartas)! Nunca me esqueço quando ele me convidou para conhecer sua cidade. Fiquei hospedado em sua casa, fui recepcionado por sua mãe Dona Liliam que cuidava de mim como se eu fosse seu filho. Era pra ficar um mês apenas, acabei ficando três! Me deu a chave de sua casa e disse que não me preocupasse com horários pra chegar, se levantar ou sair. Quem mais faz isso nos dias de hoje? Vale salientar que sempre fomos amigos-irmãos, nada além disso! Nossa relação era essencialmente fraterna; cheia de afeição, identidade, semelhança, parentesco e afinidades!
Ao saber sobre o motivo do seu assassinato, fiquei em estado de choque! Ele sempre foi reservado, conservador, levava uma vida segura e rotineira. Amadurecido pela vida, buscava a felicidade como todo mortal. Numa dessas encruzilhadas da vida, encontrou um rapaz muito mais novo, por quem se apaixonou. Ao longo de uma relação doentia em que seu amor não era correspondido na mesma intensidade com que ele se doava e investia na tentativa de que o outro um dia mudasse e melhorasse. Mas com o tempo seu príncipe virou um sapo, coisa que já era desde o princípio, somente ele não enxergava isso! O cara era um parasita, um verme, um sanguessuga! Sugou tudo dele e no final dos quase dez anos juntos, quando já não restava mais nenhum tipo de sentimento, o monstro covardemente o esfaqueou até a morte, quando ainda dormia e depois num surto psicótico, provavelmente levado pela culpa, acabou dando cabo da própria vida, reiterando sua inutilidade! Se atirando do 11º andar, do prédio onde moravam!

Minha noite foi cheia de temores, de visões da morte, de incertezas, de impotência. Não consegui pregar os olhos, minha mente era um turbilhão e os pensamentos não se acalmavam!
Como? Como um ser humano pode acabar assim com a vida de seu companheiro, depois de tantos anos de convivência, de tanto amor e carinho lhe dedicado? Nada justifica ato tão bárbaro...

http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2014/05/medico-e-morto-a-facadas-pelo-companheiro-em-apartamento-no-centro-de-porto-alegre-4509267.html

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/teledomingo/videos/t/edicoes/v/medico-e-morto-por-companheiro-em-porto-alegre/3369957/


quarta-feira, 21 de maio de 2014

Um passado sem condenações


Impossível não contar minha história sem falar da presença de minha mãe...nossas histórias estão intrinsecamente ligadas! Muitos sabem que eu fui criado sem a presença de um pai e pra todo canto minha mãe me levava. Lembro que vivíamos como nômades, mudando de cidade em cidade em busca de não sei o quê...
Ela era empregada doméstica daquelas que fazia de tudo, cozinheira autodidata de forno e fogão, fazia os pratos mais saborosos para me agradar e em particular eu lembro de uma gelatina de beterraba que era uma delícia; confesso que nunca comi outra igual depois que ela se foi...
Mas o que eu quero falar não é sobre minha mãe ou sobre suas habilidades; eu quero falar sobre como tudo isso influenciou minha vida...
Lembro-me de quando ela me colocou para trabalhar pela primeira vez aos 12 anos, morávamos na praia do Gonzaga em Santos/SP, eu fui vender picolés na praia, debaixo de um sol escaldante! Eu odiava... a experiência não demorou mais do que dois meses! Aos 13 anos ela me matriculou na Escolinha de Patrulheiros de Santos, lá aprendi os primeiros ofícios trabalhistas e fui encaminhado à uma loja de roupas unissex no shopping do Gonzaga. Eu trabalhava com três mulheres (Tânia, Ângela e Silvia) que me bajulavam o tempo todo, por causa da minha beleza e docilidade. Me chamavam carinhosamente de “PIMPO” (de Pimpolho) !! Aos 14, fui trabalhar em uma imobiliária e pela primeira vez, minha carteira registrada como Auxiliar de Escritório. Foi quando brotou meu primeiro desejo sexual por um carinha de 20 anos e vivemos uma ardente paixão!! Aos 15, fomos morar em Sampa e trabalhei na Construtora Mendes Jr.
Aos 16, minha mãe me matriculou na Escola de Aprendizes de Marinheiro, ela queria me ver um oficial da Marinha e então eu e mais 39 adolescentes fomos estudar em um quartel na cidade de Vila Velha/ES. Foi uma catástrofe do ponto de vista emocional. Eu nunca havia ficado nu na frente de tantos homens num mesmo ambiente! Aprendi a duras penas a me defender e esconder meus desejos. Mas inevitavelmente me apaixonei por um colega de turma e com ele tive um romance escondido! Foi uma loucura, ele vinha para meu beliche, se deitava ao meu lado e debaixo da coberta nos amávamos; enquanto nos beliches vizinhos dormiam 150 marinheiros que jamais sonhavam o que estava acontecendo e ninguém nunca descobriu! Isso durou alguns meses até que inúmeras experiências negativas me forçaram a tomar a decisão de desistir do curso; para desespero de minha mãe! Aos 17, retornei pra Sampa, morando com minha mãe e de novo, trabalhando na Mendes Jr. Aos 18, fui obrigado a servir o Exército, não me pergunte como isso aconteceu! Servi revoltado, me sentia vivendo uma farsa durante nove meses no extinto 2º Batalhão de Guardas de SP. Lá aprendi a usar drogas e peguei gonorreia pela primeira vez. A pior experiência foi ter sido seduzido por um idiotadinho colega de turma, a ponto dele se passando por vítima, me entregar de bandeja pro sargento! 

Fui humilhado, preso e expulso! Só consegui limpar minha ficha de “pederasta”, depois de cinco anos! Um horror!!! Minha mãe ficou chocada, mas nunca conversamos abertamente sobre isso! Ela adotou a política do: “não pergunto, não me conte”! Simplesmente me mandou para o interior da Bahia, para que eu esquecesse o episódio e recomeçasse!  Então aos 20 anos, no terceiro ano do antigo Colegial, saí de casa e só voltei aos 27; quando me encontrava no fundo do poço! O período no exílio, como podemos assim chamar; foram os melhores anos de minha vida. Trabalhei no Cartório da cidade e fui auxiliar no trabalho de um geólogo na marcação de uma nascente de rio. Reconstruí minha vida sozinho, longe de meus familiares sanguíneos que sempre se mantiveram distantes, nos víamos muito pouco. Ganhei irmãos, irmãs, novos parentes e até pai e mãe. Aprendi a me amar e ser amado por amizades conquistadas com simplicidade. Conheci Deus, fiz parte de grupos de jovens, “namorei garotas apenas para saber que gosto tinha”; afinal eu estava em novo processo de aprendizagem. Logo descobri que meu tesão mesmo era por homens com “M” maiúsculo! Mas morando no interior da Bahia, naquela época essas coisas eram consideradas “tabus”. O fato marcante é que em um dos nossos encontros regionais, eu conheci aquele que eu poderia chamar de “um anjo enviado por Deus”: Luís Edson (o Lula para os íntimos), meu amigo e irmão até os dias atuais!! Aos 22 anos fui morar em Salvador/BA, na casa de Lula, com sua mãe e seus irmãos, sobrinhos, cães e gatos. Ganhei uma família inteirinha só pra mim. Foram experiências enriquecedoras! Consegui emprego como Auxiliar de Tesouraria na MESBLA e cada vez mais me sentia dono da minha vida e das minhas vontades! Então com 23, tive o primeiro relacionamento sério com outro homem, moramos juntos e nossa relação foi muito construtiva. Fui trabalhar como Escriturário no Banco Bradesco. Aos 24, minha mãe chegou na surdina em minha casa armou o maior barraco, brigou com meu companheiro e exigiu que eu acabasse aquela pouca “vergonha” (como ela dizia). Não tive escolha, imediatamente aluguei um apto e morei alguns meses com ela. Pedi transferência para Vitória da Conquista/BA; cidade natal do meu “ex”.
Um lugar que me encantou desde o primeiro instante! Em Conquista, voltei a namorar garotas para agradar minha mãe e também porque meus colegas de banco só queriam jogar bola, pegar garotas e fumar baseado (afinal estávamos na efervescência dos anos 80!!). Minha mãe não aguentou a barra e decidiu retornar pra Sampa. Eu aproveitei pedi demissão do banco e retornei pra Salvador. Aos 25, na gandaia, resolvi curtir novos ares em Olinda/PE, fui morar com uma família que me permitiu entrar em suas vidas da forma mais tranquila possível. Considero-os meus "gurus" até os dias atuais! Trabalhei em Concessionária de Automóveis, Restaurante Francês, em diversos Barzinhos como Garçom ou Caixa e também como Encarregado de Padaria de Supermercado no Recife/PE. Levava uma vida produtiva e curtia adoidado, até aparecer aquele que iria fazer com que todo meu castelo desmoronasse!! Mas isto é uma outra história que eu contarei na próxima postagem, pois esta foi um pouco longa! 
Beijos e até a próxima...

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Tudo o que nos representa FAMILIA!!!



Sexta a noite, sozinho em casa, pensando com meus botões!!
Ouvindo musica e revirando o baú...
E então eu me vejo totalmente carente de família como nunca estive antes...

Todos estão distantes... como sempre foi... aliás fui eu que quis assim...
Eu escolhi viver assim e agora pago o preço pelas minhas escolhas!!   

Entendam que eu não estou arrependido de nada... jamais!
Apenas um pouco carente... só isso!

E queria compartilhar com vocês... esse momento de carência.



E também deixar 02 videos bem bacanas e emocionantes pra mexer um pouco com vocês!!

Grande beijo e meu carinho!!



Este segundo é continuação do primeiro - não deixem de assistir!! É lindo demais!!!

terça-feira, 13 de maio de 2014

De volta ao Blogsville!!!


Ufa!! Finalmente Ramsés levantou da tumba!!
Estou de volta!! Não tão firme, mas de volta...
Quero agradecer à TODOS que me enviaram palavras de ânimo e me ajudaram
a me levantar!
Recebi este brilhante texto de um cara que eu admiro muito e gostaria de
compartilhar com vocês...
( É longo, vale a leitura, mas se preferirem podem ir direto ao vídeo que é
a representação artística do texto ) 
Deliciem-se!!!!
Breve texto fresquinho...
Um dia você aprende

(Texto em prosa atribuído a William Shakespeare)

Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.

E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam... E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.

E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.

Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências. Aprende que paciência requer muita prática. Descobre que algumas vezes a pessoa de quem você espera um chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.

Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.

Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, contudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.

Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.

Portanto... plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.

E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.


E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!
..........................................................................................................................


segunda-feira, 7 de abril de 2014

UM MOMENTO DE INTROSPECÇÃO

Nem sempre tudo é alegria, festa, sorrisos, amigos e tudo mais... definitivamente não!
Existem aqueles momentos que nada dá certo, mesmo que você faça inúmeras tentativas para que as coisas saiam da melhor maneira possível...
Sinto-me impotente, amarrado, impossibilitado... sem direção!
Ou melhor, não sei onde está a luz no fim do túnel... alguém aí pode me dizer?
É um daqueles momentos em que todo ser humano um dia tem que passar. Por que? Vai saber...
Não sei o que falar ou o que escrever... só preciso desabafar...

Peço que orem e rezem por mim!
Minha cabeça está um turbilhão... não sei o que fazer com tantos pensamentos.. 
alguns bons outros nem tanto!
Alguém já disse que DEUS não nos dá um peso maior do que aqueles que aguentamos carregar...
Será??
Eu pergunto cadê DEUS? 
Alguém pode me dizer onde ELE está?
Deve estar muito ocupado com tanta coisa acontecendo nesse mundão...


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Bom é voltar pra Casa!!

Quase 20 anos depois decidi voltar para a essa que eu adotei como sendo a minha cidade...
Vou explicar para que vocês entendam: conheci Conquista como é chamada carinhosamente por seus moradores, em 1983 através do meu primeiro namorado. Lembro como se fosse hoje, era uma manhã de sábado, fazia um friozinho que lembrava muito São Paulo e aquela vista do alto do planalto, que se perdia no horizonte, alcançava a cidade inteira, encheu minha alma de um sentimento de encontro, de raiz, de algo familiar. Foi amor à primeira vista literalmente!!! Os acontecimentos depois disso, só reforçaram tudo o que já estava previsto para acontecer. Perdi a conta das idas e vindas, toda vez que eu precisava de refúgio, de um lugar pra me acalmar, me concentrar e recomeçar. Aqui morei com minha mãe nos últimos anos antes da sua morte; aqui eu fui acolhido por uma família imensa e ganhei outra mãe e irmãos; aqui eu passei grandes momentos de minha vida. Namorei meninas e meninos. Viajei bastante do sertão ao litoral. Passei dificuldades em época de vacas magras, mas curti a vida “adoidado”!! Aqui trabalhei em diversos lugares e fiz grandes amizades...

Tanto é, que a recepção na chegada foi calorosa e carinhosa de maneira geral. Cheguei com a mudança completa dentro de um caminhão baú, trouxe tudo, não deixei nada pra trás.
 Mentalmente eu já estava preparado para esta mudança, o meu espírito estava todo envolvido neste processo. Foi fácil a imersão na cultura bahiana, as ruas cheias de gente diferente, sons de axé explodindo por todos os cantos, multidões de rostos de pessoas conhecidas, gente sofrida pelo sol, pela seca, mas bronzeada pelo olhar da felicidade. Aqui a grande diferença do sul é que se é feliz com muito menos do que se vive lá! A vida passa lentamente e podemos saborear um passeio numa tarde de domingo na praça e olhar o luar cintilante nas noites quentes!

 Tarde de domingo, passeando de bike pelas ruas vazias da cidade, me lembrei de quando eu vagava por estas mesmas ruas, sem destino, muitas vezes ia à casa de um amigo só pra jogar conversa fora e ver à hora passar. Daí em entendi o significado da minha volta. Eu precisava desta sensação de acolhimento, de fazer parte de um lugar, de ver rostos conhecidos e pessoas sorrindo pra mim!
 Outro dia ouvi de um conhecido a seguinte frase: “que bom que você está de volta, aqui é o lugar onde as pessoas gostam de você”. Pronto, isso define tudo. Como é bom viver em um lugar onde as pessoas expressam que gostam de você!
 Em outra oportunidade, estava fazendo a feira, vi um homem grisalho e me lembrei dele, fomos bons colegas de banco e muitas vezes saímos juntos. Ele agora casado, pai de família, tinha o mesmo semblante juvenil e com um sorriso amigável me cumprimentou efusivamente e me deu as boas vindas.

Nestes quase dois meses foram muitos reencontros, muitas histórias e boas lembranças que agora avivam minha mente. Fica a certeza de que estou no lugar certo no tempo certo! Agora de um jeito diferente, não preciso me acalmar ou me concentrar. De certa forma é um recomeço. Mas pra mim é a continuação de uma trajetória que se iniciou aqui, deu muitas voltas pra então se encontrar no centro.

Como disse anteriormente, chegou o meu tempo, este é o meu tempo, é o meu lugar. As experiências vividas por onde andei, as amizades que fiz, todas foram válidas e guardarei eternamente, mas hoje sinto como se esse fosse o lugar de onde eu nunca deveria ter saído!

domingo, 19 de janeiro de 2014

Estou de volta...melhor..mais seguro e mais baiano do que nunca!!!


Chegou o meu tempo

Prestes a completar 53 anos, descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro. Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói os caroços. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Detesto ter que me desculpar quando faço uma brincadeira idiota e a outra pessoa pensa que tentei magoá-la. As pessoas não debatem conteúdos, só o superficial. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa… Quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços e falhas e de si mesmo; não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade e não se acha dono de nenhuma verdade! Caminhar com pessoas de verdade. O essencial faz a vida valer a pena. E para mim, basta o essencial! Hoje posso afirmar sem nenhum receio ou temor de que estou vivendo o tempo que foi destinado para mim!!!

(Parafraseando Mário Pinto de Andrade (1928-1990) - escritor angolano)